segunda-feira, janeiro 18

Pedro, o grande.

Perguntaram um dia a Pedro quando ele havia escolhido que ator de teatro seria sua profissão. Não foi exatamente uma escolha, ele disse.

Dessas coisas que criança inventa, Pedro aprendeu desde cedo que podia controlar sua presença pela respiração. Quando queria desaparecer, enchia o pulmão de ar e prendia, como submergir numa bolha própria. E com a prática veio o hábito, já esvaziava o pulmão pela metade, guardando sempre aquela reserva de ar da sua atmosfera pessoal, como um camelo, um urso polar. Tinha mesmo uma estranha identificação com a natureza, embora muitas vezes acabasse confundindo com um medo cósmico. Olhava nos olhos de um gato ou um cachorro e sentia uma estranha certeza de que eles sabiam um segredo vital que ele, na sua condição humana, jamais alcançaria. Temor a Deus, pensava então, deveria ser algo como isto. Uma estranha identificação. Não era religioso, embora sem perceber estivesse submetido a diversos rituais. Compadecia com o baiacu. Também ele se enchia de ar e lançava os espinhos frente a alguma ameaça, e eram tantas.

Um dia, já quase adolescente, se deparou com uma lagartixa no fundo do quintal. Era noite, Pedro se escondia para fumar um cigarro doce que nem gostava tanto, mas tragar fumaça era um dos rituais que se impunha para se forçar a ter hábitos, e assim se prender à vida. Até que no meio de uma das tragadas proibidas, viu a tal da lagartixa. Sem pensar, prendeu a fumaça. Ele se moveu, ela tentou fugir. Mas parava quando ele parava também, e parecia que o observava atentamente do alto da sua testa. Não sabia se ela fazia um esforço imenso para enxergá-lo ali em cima de sua pequena cabeça, ou se era natural que enxergasse pra cima e não pra frente. Ali perguntou-se então quem teria mais medo, ele ou ela. A lagartixa, concluiu, tinha medo dele, isso era claro. Ele não temia a lagartixa, nem mesmo tinha nojo. Mas tinha medo, temor, de algo, como aquela lagartixa temia a presença dele. Respirou fundo, lançou todo o ar de seus pulmões cheios de fumaça. E para sua surpresa, ela não fugiu. Olhou para o chão como que para pegar um pensamento que lhe havia escorrido e ao virar-se, o bicho não estava mais lá. Aproveitou que não estava sendo vigiada para escapar sem que se soubesse para onde.

Também ele poderia, pensou, escapar quando ninguém estivesse vendo. Mas tinha alguma intuição que lhe dizia que algo o observava pra além da presença humana. Não era tolo a ponto de acreditar que Deus, se existisse, se prestaria a esta vigilância exclusiva e constante. Era algo além de Deus, era algo além de qualquer outra pessoa. Não queria ser como a lagartixa que congela ao se sentir observada. Ali naquele momento de iluminação, Pedro pensou que talvez pudesse vencer o medo e encarar aquela presença que o violava visualmente e capturava seus gestos como quem aprisiona a alma de uma pessoa, mas lhe mantém a vida para ver até que ponto ela pode sustentar. Ali, tragando já a guimba do cigarro, no meio do quintal, decidiu respirar fundo e ir na direção contrária daquela presença abstrata, a confrontaria definitivamente, esbanjaria sua vida pra ela até que ela desistisse. E preferiu morrer de medo do que seguir sem alma. Que olhassem, que se aproximassem. Que ele fizesse barulho e que sua presença incomodasse. Algo dentro dele precisava sair para algum lugar. E uma breve intuição de quem tem quase 13 anos lhe dizia que a mesma coisa que lhe fazia imensuravelmente acabado tão jovem, lhe faria em algum momento igualmente vivo, não importa a idade que tivesse. Que venha o tempo, pensou, e o medo. Porque há algo além disto, algo dentro, que exigirá todo o meu fôlego.

Eu ainda não sei, disse Pedro, o que é esta presença que me observa. Mas quando piso no palco e as luzes se acendem, a escuridão e o silêncio da platéia são a objetivação ideal do combate ao qual preciso me submeter constantemente para poder existir quando os holofotes se apagam. Então não foi exatamente uma escolha, concluiu, mas uma condição de vida.

6 comentários:

Mai disse...

Luanne,

este texto é daqueles que se deve ter na cabeceira e ler e reler... E por tudo o que li agora eu me pergunto porque ainda dizem que a net é 'povoada' de mentes vazias solitárias?!
...Eu li e reli e poderia discorrer sobre o medo, o vazio, o poder e a escravidão... Mas este teu texto é impecável porque você conseguiu nos levar à experiência, nos fez sentir o instante, e assim como o Pedro o leitor sai sem 'apreender' este "Q" - que aprisiona e liberta que congela e afugenta. Eu estou impressionada com a tua genialidade.
Já havia percebido que você possui um modo muito próprio de compreender o mundo mas, neste texto, você se superou, me 'embasbacou'. Saio pasmada e boqueaberta e juro, volto prá reler depois.

Não pare de escrever, Luanne. Acredite você tem um lugar.
Beijo, aplausos e um sorriso.
Obrigada pela beleza deste texto.

guru martins disse...

...ou uma
condição
dA vida
talvez uma
condução
dA vida...

bj

Marcela Bertoletti disse...

Acho que é natural sentir medo.
O medo paralisa Pedro, mas ao mesmo tempo o move, o faz sentir vivo. E essa adrenalina que corre, no momento em que ele se depara com o desconhecido, com o mistério e com o observador que o faz sentir exposto, mas ao mesmo tempo vivo, fazer valer a pena. Faz fazer sentido. Acho que Pedro deveria apenas tomar cuidado, e ser um pouco menos como o baiacu, pois nem tudo é potencialmente uma ameaça.
Eu diria que esse é um dos melhores textos que vc já escreveu, talvez o melhor.
(post grande coment grande :P)

Usui de Itamaracá disse...

Caramba! Com certeza o seu melhor post (e talvez um dos melhores q tenho lido desde q entrei na "blogosfera")!
Gostei das analogias, da reflexão, do desfecho... Adorei tudo! rs
VocÊ tem talento, menina!

Mai disse...

Eu sempre volto porque gosto da tua escrita mas, também da tua leitura. Então volto para me certificar se há novo texto.
Abraços, Luanne.

franciscoferraz disse...

(um tipo muito estranho de) Saudade.