segunda-feira, janeiro 4

De pelada todo mundo gosta


Era um embate entre eu

comigo mesma

entre mim, um empate

imóvel, imutável


O jogo parou


Até que eu disse: terei que ir a pênaltis

ou a gente resolve isso aqui mesmo?

cadê o juiz nessa poça?

que a chuteira faz lama

até o joelho. Que a torcida perdeu a voz,

o ataque cansou, a defesa não se move

que os joelhos ameaçam dobrar

eu estou desidratando; e chove

estou sufocando cheia de ar

tem alguém marcando o tempo? Quando

começa o intervalo? Bandeira branca

tenha dó

Eu detesto futebol


Então o juiz assumiu a parcialidade, quebrou o apito

num gesto simbólico: o jogo pendurou as chuteiras

foi quando virou pelada e passamos, eu e eu,

a levar naturalmente na esportiva


9 comentários:

Usui de Itamaracá disse...

rsrsrs
adorei as metáforas, inteligentemente colocadas =D

Mai disse...

"...cadê o juiz nessa poça..."
Isso foi um grito, uma catarse, um volver qualquer onde parece que alguém lembra quem é.
Um 2010 melhor prá ti, um abraço e a minha torcida por muitos gols

vanessacamposrocha disse...

que graça de texto!!
adorei!

guru martins disse...

...não gosta
de futebol
mas sabe
tudo da pelada...

bj

Marcela Bertoletti disse...

Se joga! Pq a lama faz parte do jogo, e quando vc percebe isso fica mais divertido.
Gostei de ver como o futebol pode ser uma metáfora muito interessante!

Mai disse...

Também faz gol em verso e inverso, também há prosa na pelada.

beijos.

Sérgio Luz disse...

ih, nesse jogo acho que ninguém tem coragem pra se intrometer.

Renata de Aragão Lopes disse...

Excelente texto!

Estou ao aguardo disso:
a quebra do apito
hipócrita.

Como é difícil
levarmos tudo na esportiva...

Um abraço,
doce de lira

HNETO disse...

O juiz apita
o começo e o fim,
deus, arbitrário,
mas quem manda no jogo
é o dono da bola.