sábado, novembro 14

pingo

inércia do tempo tal momento
teu olho a vagalumiar o meu
tua boca falando por mim
meu corpo à vontade já
sem consciência de si
eu me diluo em você
deságua-se em mim
viramos gota d'água
escorrendo pela
linha do tempo
que não
passa
passe
amos

s
.

10 comentários:

meus instantes e momentos disse...

parabens pelo post,
" virar gota d'agua, escorrendo pela linha do tempo..."
gosto daqui.
Apareça sempre , gosto de ver vc por lá.
Maurizio

vanessacamposrocha disse...

linda forma!!

Marcela Bertoletti disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Marcela Bertoletti disse...

Foda! Você é foda! Lindo texto, na forma e nas palavras.
e quem sabe esse pingo vá desaguar no mar...

franciscoferraz disse...

Uma vez, na saída do cinema, depois de assistir 'meu querido mês de agosto', eu acendi um cigarro, você me pediu o esqueiro. Eu emprestei. Falamos brevemente do filme. Se eu soubesse do 'pingo', do 'parto' e do resto, tinha pensado melhor no que falar ou não tinha falado nada. É tudo muito bonito.

Perivaldo Graça disse...

assino em baixo do que disse a vanessa!

guru martins disse...

...uau!!
muito
mmmmuuuito
bom!!

bj

Deveras eu disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
franciscoferraz disse...

Obrigado.

O cara do amendoim ainda existe. Eu leio demais meus textos, na décima vez que leio eu detesto todos eles, volto a gostar lá pela décima quarta, mas não tive paciencia dessa vez e exlui para escreve-lo outra vez.

O filme era ótimo. Precisamente o que não me sai da cabeça é o fim, a coisa dos sons. Escrevi algumas coisas sobre o filme, algum dia vou postar. (Me alivia que você lembre)

Sei que parece estranho, mas hoje resolvi ir à exposição do Chagall no centro, sentei num daqueles banquinhos da cinelandia e de repente você passou, meio apressada com uns cadernos na mão, virei pra ver de onde você vinha, só encontrei o Odeon atrás de mim, quando vi você já tinha desaparecido (no meio daquele vazio esquisito do centro em feriado). Lá pelas 5 da tarde. Isso ficou na cabeza.

Até logo.

Mai disse...

Concretamente poesia em gotas.
Gosto do efeito que provoca e da estética inovadora.

Abraços.