quinta-feira, agosto 31


Penso que ficar parada é mais seguro

Mas o corpo me descompassa
Segue
Se desconforta
Envelhece
Meu corpo vai antes de mim
E por mais que doa, ando
Encolhida
Por mais que noite em mim, dia
Sim dia sim o corpo escolhe
Se esparramar
Sempre dois passos a frente
Meu corpo
No tempo, minhas rugas
As pegadas
De um invólucro que se move
Ainda que estático
Ainda que sublime o tato, o tanto
Que pense não sentir
Mente, o meu corpo
Mente minha mente
Que para e se prepara
Para o pior que não existe
Enquanto uma voz ao fundo
Às voltas de um corpo mudo
Sussurra, em desespero
Seguro é seguir

Nenhum comentário: